“Não adianta ir para debaixo da cama”, diz Bolsonaro sobre pandemia


O presidente Jair Bolsonaro voltou, nesta 5ª feira (4.mar.2021), a criticar medidas de isolamento social que buscam conter o avanço da pandemia de covid-19. Em visita rápida a Uberlândia (MG), o chefe do Executivo falou com apoiadores que o esperavam no aeroporto.

 O vídeo foi publicado nas páginas de moradores da cidade nas redes sociais.“Eu tenho dito há muito tempo que os problemas temos que enfrentar, não adianta ir para debaixo da cama”, disse.

O país atingiu nessa 4ª feira (3.mar) o recorde de mortes confirmadas por covid-19 em 24 horas: 1.910. A média móvel de vítimas também está no patamar mais elevado desde o início da pandemia (1.331).“Eu não estou negando o vírus, muito pelo contrário, estou dizendo que temos que enfrentar os problemas. 

Se todo mundo for ficar em casa, vai morrer todo mundo de fome”, declarou. O grupo de apoiadores do presidente também criticava as medidas restritivas. Gritava “lockdown não” e “queremos trabalhar”.O chefe do Executivo rebateu as críticas que têm recebido pelos atrasos na compra de imunizantes. 

“Tem idiota, que a gente vê nas redes sociais, na imprensa, dizendo: ‘Vai comprar vacina’. Só se for na casa da tua mãe. Não tem para vender no mundo”.

 Na conversa, Bolsonaro também confirmou que o governo federal comprará vacinas da Pfizer contra a covid-19.“Já que o Congresso falou que pode comprar essa vacina, o [ministro Eduardo] Pazuello ontem assinou o contrato, vamos comprar.

 O mês que vem, eu não sei a quantidade, mas vai [sic] chegar alguns milhões aqui no Brasil”, disse.“

Onde tiver vacina para comprar, nós vamos comprar. Por que o Pazuello assinou ontem contrato com a Pfizer? Porque a Pfizer é clara, está lá no contrato: ‘Não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral’. 

Daí o pessoal fala que eu falei que vai virar um jacaré. Não tem mais figura de linguagem no Brasil para esses idiotas da imprensa”, declarou.Bolsonaro se referia a uma declaração dada por ele em 17 de dezembro. Naquele dia, criticou imunizantes contra o coronavírus. “Se você virar um jacaré, problema de você”, disse sobre aqueles que tomassem as vacinas.

O Ministério da Saúde confirmou a intenção de compra de vacinas das empresas Pfizer e Janssen nessa 4ª feira (3.mar). A promessa é ter mais 138 milhões de doses (100 milhões da Pfizer e 38 milhões da Janssen) até maio.

 Uma edição extra do Diário Oficial da União foi publicada com aviso de dispensa de licitação. Leia a íntegra.

A Pfizer é a única vacina com registro definitivo aprovado pela Anvisa. Atualmente, a vacina é aplicada em 69 países. O Brasil foi o 3º a conceder o registro definitivo ao imunizante.

Em Uberlândia, Bolsonaro defendeu o tratamento precoce contra a covid-19, cuja eficácia não é comprovada cientificamente. “Quem fala em tratamento precoce passou a ser criminoso no Brasil”, disse.