PF diz que delação de Palocci sobre BTG e Lula não tem provas


Relatório da Polícia Federal obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo mostra que a delação do ex-ministro dos governos Lula e Dilma Antonio Palocci envolvendo supostos repasses do banco BTG a Lula por informações privilegiadas foi desmentida.

A conclusão do delegado de Polícia Federal Marcelo Feres Daher, da última 3ª feira (11.ago.2020), é de que não há provas que corroborem a versão de Palocci e que as informações dadas por ele poderiam ser tiradas de pesquisas na internet e notícias.

“Quanto aos fatos delatado por Antonio Palocci, observa-se que foram desmentidos por todas as testemunhas declarantes, inclusive por outros colaboradores da justiça, que aparentemente não teriam prejuízo algum em confirmarem a narrativa de Palocci, caso entendessem ser verdadeira”, escreveu o delegado.

Em 1 acordo de delação premiada, o ex-ministro Antonio Palocci afirmou que bancos fizeram doações eleitorais de R$ 50 milhões a campanhas do PT (Partido dos Trabalhadores) em troca de favores nos governos Lula e Dilma Rousseff.

Palocci afirmou que os bancos Bradesco, Safra, BTG Pactual, Itaú Unibanco e Banco do Brasil estiveram envolvidos no caso. Segundo ele, o interesse das instituições era obter informações privilegiadas sobre mudanças na Selic (taxa básica de juros) e ter apoio do governo em situações de seus interesses.

Segundo Daher: “As análises técnicas dos documentos e dados apreendidos afastaram a hipótese de uso de informações privilegiadas na gestão do fundo Bintang nas vésperas de decisões do Copom (Comitê de Política Monetária), restando dúvidas quanto ao grau de ‘aposta’ e de ‘acerto’ por parte de Marcelo Lustosa somente quando da reunião do Copom de agosto de 2011.”

A investigação, entretanto, não pôde identificar de onde teria saído o suposto ‘vazamento’ da decisão do Copom que seria tomada em 31 de agosto de 2011.