Sara Winter é presa e Governo Bolsonaro começa a ficar preocupado com quem serão os próximos


Ao ser presa Sara Winter pediu manifestações e protestos para que ela fosse solta, mas na verdade a maioria dos membros do seu grupo chamado de 300 deletaram contas e nenhuma manifestação aconteceu.

Vários grupos aramados e não armados de apoio a Bolsonaro estão sendo investigados em todo o país, vários administrados de grupos de whatsapp foram presos ou estão respondendo processos por conta de publicações e incitação a violência, ao golpe militar e ataques ao STF. Estas prisões e as investigações crescem rapidamente e agora os alvos são os grandes líderes e financiadores destes grupos, das manifestações e da indústria do fakenews, o que tem deixado membros do governo preocupados, muitos acreditam que o Ministro da Educação pode ser preso por suas declarações.

Em matéria do Estadão, nota-se uma verdadeira desarticulação destas várias milícias e no dia a dia e nas reuniões ministeriais o presidente já externou várias vezes a preocupação com a sua prisão, de seus familiares e de seus amigos, a mais famosa foi a do dia 22 que terminou com o pedido de exoneração de Sérgio Moro que saiu atirando e denunciando o governo, veja abaixo matéria de O Estadão.

Uma das principais aliadas do presidente Jair Bolsonaro, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) se manifestou, por nota, sobre a prisão da militante bolsonarista Sara Winter. Segundo a parlamentar, ela pediu há alguns dias que Sara e seu grupo - autodenominado 300 do Brasil - baixassem a temperaturas das manifestações, sem sucesso.

"Ela fez o contrário, aumentou a temperatura e tem uma personalidade explosiva, mas nem de longe é uma pessoa perigosa. Estamos em tensão constante, pois membros do STF vem invadindo os poderes Executivo e Legislativo. Precisamos nos unir! Unir em torno do governo, pois estamos no momento mais duro da República", escreveu Zambelli.

A deputada disse também que sempre foi adepta dos protestos pacíficos. 

"Revoltei-me muitas vezes contra ministros do STF e mostrei essas indignações por meio dos 'bonecos' de alguns deles. Por isso, chegaram a me denunciar na Polícia Federal por grave ameaça à ordem pública. Vamos nos manifestar pacificamente, buscando ajudar o presidente Jair Bolsonaro, eleito por 57 milhões de brasileiros que têm esperança na mudança", complementou na nota.

Em seguida, questionou se a prisão da ativista era mesmo necessária.

Bolsonaro não falou com a imprensa na manhã desta segunda. Na rápida parada que fez para conversar com aliados em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente ficou incomodado com pedidos feitos por eleitores, como para intermediar uma obra de infraestrutura. 

"Minha senhora, se eu for tratar assunto individualmente do Brasil todo, eu vou ser prefeito, não presidente da República".

Impaciente, ameaçou parar com o hábito de cumprimentar os populares, ação que repete quase que diariamente na saída e chegada ao Alvorada.

 "Vou acabar não parando mais aqui. Me desculpem. São cinquenta pedidos por dia", enfatizou. Até pedidos de fotos ele negou.

Já o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro defendeu a decisão do STF. "A prisão de radicais que, a pretexto de criticar o STF, ameaçam explicitamente a instituição e seus ministros, é correta. A liberdade de expressão protege opiniões, mas não ameaças e crimes. O debate público pode ser veemente, mas não criminoso", escreveu nas redes sociais.

— Sergio Moro (@SF_Moro) June 15, 2020

Deputado federal pelo PSOL de São Paulo, Ivan Valente ressaltou que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, participou neste domingo de ato conduzido pelo grupo de Sara. "O problema não é só Sara, mas quem a financia. É de dentro do Planalto que saem recursos e ordens para atacar a democracia. Isso sim precisa ser investigado", afirmou.

— Ivan Valente (@IvanValente) June 15, 2020

Para o presidente do PTB, Roberto Jefferson, atualmente aliado ao governo, afirmou que "a mesma esquerda que se cala diante da libertação de mais de 30 mil presos pelo Judiciário, sendo que alguns estão nas ruas cometendo crimes, como o assassinato de mulheres" é a que comemora a prisão de Sara Winter. "Para a esquerda, crime é ter opinião diferente da deles", declarou pelo Twitter.

— Roberto Jefferson (@blogdojefferson) June 15, 2020

Sara Winter ficará presa temporariamente por cinco dias - prazo que pode ser renovado.