Seis profissionais da saúde reapresentaram sintomas da Covid-19 no Ceará; Secretaria investiga.


Quatro médicos e dois técnicos de radiologia, sendo cinco homens e uma mulher, voltaram a apresentar sintomas e exames positivos para a Covid-19 depois de considerados curados do coronavírus no Ceará. As informações foram divulgadas pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) em nota técnica sobre a recorrência de quadros clínicos da doença. No documento, a secretaria explica que “os achados evidenciados no estudo desses casos necessitam de investigação mais detalhada”

O Ceará atingiu 130.922 casos confirmados de coronavírus e 6.691 óbitos, nesta quinta-feira (9). Entre os profissionais da saúde, 12.613 pessoas tiveram resultados positivos para a doença. A categoria registrou 27 mortes. Os mais afetados são técnicos ou auxiliares em enfermagem, enfermeiros, médicos e agentes comunitários de saúde.

Dos seis profissionais que voltaram a ter quadro clínico de Covid-19, cinco tiveram o vírus pela primeira vez em março, logo no início da pandemia no estado, e um em abril. Já o início do segundo episódio foi registrado em maio, para o primeiro grupo, e em junho, para o profissional que teve a doença por último. O tempo entre os dois episódios variou entre 53 e 70 dias.

Todos os casos considerados no estudo tiveram testes do estilo RT-PCR, por biologia molecular, com resultado positivo nos dois momentos observados, além de exames negativos que permitiram a alta após o fim da primeira infecção.

Especialistas do Comitê de Operações em Emergências (COE) da Sesa decidiram adotar o termo “reversão positiva do teste virológico” para aqueles que voltarem a apresentar exame positivo para o vírus e “recorrência de quadro clínico” para quem passou a ter novamente sintomas e detecção do vírus por exames.

A nota explica que termos como “reinfecção” ou “reativação” devem ser evitados. “A evidência de reinfecção normalmente requer documentação baseada em cultura de uma nova infecção após a eliminação da infecção anterior com evidência de reinfecção com uma forma molecularmente distinta do mesmo vírus”, diz o texto. Os pesquisadores da Sesa levaram em conta estudos já feitos com pacientes da cidade de Wuhan, na China, primeiro local a detectar o vírus em seres humanos, ainda em 2019.

Volta de sintomas

Os seis pacientes estudados tiveram pelo menos três sintomas da doença no segundo episódio, sendo os principais febre, adinamia (fraqueza muscular) e anosmia (perda súbita do olfato). Um deles, de acordo com a Secretaria, precisou ser internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) após apresentar quadro de hipoxemia, que configura baixos níveis de oxigênio no sangue. Ele se recuperou com a ajuda de suporte ventilatório não invasivo. Outro paciente também apresentou hipoxemia, mas não precisou de internação.

Notificação

A nota recomenda que os casos de Covid-19 tenham vigilância depois da alta e da recuperação. Também fica orientado que profissionais da saúde que voltem a ter sintomas devem ser testados novamente. A notificação de casos de recorrência de quadro clínico deve ser comunicada ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievis) para que o monitoramento aconteça.

Covid-19 no Ceará

Os casos confirmados de Covid-19 nos municípios cearenses somam 130.922, com 6.691 mortes, segundo dados da plataforma IntegraSUS, atualizada às 9h04 desta quinta-feira. O total de pacientes recuperados chega a 104.029.

O IntegraSUS aponta ainda que outros 69.266 casos suspeitos do novo coronavírus estão em investigação, à espera do resultado dos testes. Ao todo, o estado já realizou 331.082 exames para detectar a doença. O número de mortes suspeitas pela Covid-19 é de 611.

Fortaleza é a cidade que lidera os índices do novo coronavírus e contabiliza 37.680 diagnósticos positivos e 3.450 mortes em decorrência da infecção. Juazeiro do Norte, na Região do Cariri, ultrapassou os 3 mil casos nesta quarta-feira (8). A região apresenta a maior taxa de transmissão do vírus no Ceará. Por conta do aumento nos índices dos casos de coronavírus, Juazeiro, Barbalha, Crato e Brejo Santo, no sul do Ceará, estão em isolamento social rígido, assim como Tianguá, Iguatu e Sobral.